Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.16/1764
Título: Análise da taxa de cesarianas e das suas indicações utilizando a classificação em dez grupos
Outros títulos: ANALYSIS OF CESAREAN SECTION RATES AND INDICATIONS USING TEN GROUP CLASSIFICATION
Autor: Almeida, D.
Cardoso, A.
Rodrigues, R.
Cunha, A.
Palavras-chave: Dez grupos
indicação de cesariana
parto
sistema de classificação
taxa de cesariana
Data: Set-2014
Editora: Centro Hospitalar do Porto
Citação: Nascer e Crescer 2014; 23(3): 134-139
Resumo: Introdução e objetivo: Foi efetuado um estudo observacional retrospetivo para analisar os motivos de cesariana e identificar os parâmetros obstétricos das mulheres a ela submetidas na nossa instituição em janeiro/fevereiro e junho/julho de 2011. Material e Métodos: Foram revistos os processos clínicos destas mulheres, categorizadas nos dez grupos obstétricos propostos por Robson, baseados nos seguintes parâmetros: gestação simples/múltipla; nuliparidade/multiparidade/multiparidade com cesariana anterior, cefálico/não-cefálico; parto espontâneo/ induzido/cesariana eletiva; parto de termo/pré-termo. Em cada grupo foram analisados os motivos de cesariana excepto os das gestações múltiplas. Resultados: Ocorreram 1167 partos simples, 391 por cesariana, sendo a taxa de cesarianas 33,5% (36% eletivas). A cesariana foi mais frequente em nulíparas de termo com parto induzido e em mulheres com cesariana prévia. Durante o trabalho de parto o motivo mais comum nomeado pelo clínico foi o trabalho de parto estacionário, a incompatibilidade feto-pélvica e o estado fetal não tranquilizador. A apresentação fetal anómala motivou 4,4% da taxa de cesarianas, contributo superior ao da prematuridade (3%). Entre as multíparas de termo sem cicatriz uterina houve menor número de cesarianas. Conclusões: A análise dos resultados obtidos sugere que evitar uma primeira cesariana e permitir o início espontâneo do trabalho de parto pode contribuir para o decréscimo a longo prazo da taxa de cesarianas. É fundamental um esforço coletivo para objetivar as suas indicações e que estas reflitam as orientações mais atualizadas relativas ao estado fetal não tranquilizador e ao trabalho de parto estacionário.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.16/1764
ISSN: 0872-0754
Aparece nas colecções:RN&C: Ano de 2014

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
04_ArtigoOriginal-2_23-3.pdf95,82 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.