Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.16/1887
Título: Prática ventilatória em recém-nascidos de extremo baixo peso
Outros títulos: Ventilation practices in extremely low birth weight infants
Autor: Ratola, A.
Silva, H.
Oliveira, D.
Carvalho, C.
Almeida, A.
Proença, E.
Palavras-chave: Recém-Nascido de Extremo Baixo Peso
Ventilação Mecânica
Data: 2015
Editora: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Citação: Acta Pediatr Port 2015;46:113-8
Resumo: Introdução: As práticas ventilatórias nos recém-nascidos de extremo baixo peso (RNEBP) têm vindo a alterar-se ao longo dos anos, havendo uma preocupação crescente em implementar estratégias protetoras do pulmão. O presente trabalho pretendeu caracterizar a prática ventilatória nos RNEBP numa unidade de cuidados intensivos neonatais. Métodos: Análise retrospetiva dos registos clínicos dos RNEBP, admitidos entre 01/09/2010 e 31/08/2013. Resultados: Foram admitidos 94 RNEBP (mediana peso 790 g), com idade gestacional de 23-32 semanas (mediana 27 semanas). Foi administrado pelo menos um ciclo de corticoide pré-natal em 65% e 69% receberam no mínimo uma dose de surfatante. Realizaram ventilação invasiva 74%, a maioria desde o nascimento, e 15% necessitaram de ventilação de alta frequência como resgate. Efetuaram ventilação não invasiva 70%, de forma exclusiva em 23% dos casos. Não precisaram de qualquer suporte ventilatório 3%. A mortalidade atingiu 31% (mediana idade gestacional 25 semanas), ocorrendo quase metade dos óbitos no primeiro dia de vida. Desenvolveram hemorragia pulmonar 7%, fuga aérea 5%, hemorragia intraperiventricular de grau III 22%, canal arterial hemodinamicamente significativo 23% e enterocolite necrosante 3%. O grupo que não realizou ventilação invasiva não apresentou hemorragia pulmonar, fuga aérea ou hemorragia intraperiventricular. Dos 65 sobreviventes, 20% desenvolveram displasia broncopulmonar moderada ou grave e 14% retinopatia da prematuridade (≥3/ doença plus). Discussão: O suporte ventilatório dos RNEBP tende a ser progressivamente mais protetor. No grupo analisado, a quase totalidade dos recém-nascidos necessitou de apoio ventilatório, mas cerca de um quarto realizou apenas ventilação não invasiva. A mortalidade global foi elevada, atingindo sobretudo os mais imaturos e em cerca de metade ocorreu no primeiro dia.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.16/1887
ISSN: 0873-9781
Versão do Editor: http://actapediatrica.spp.pt/article/view/3999/5074
Aparece nas colecções:MDC - Artigos publicados em revistas não indexadas na Medline
SCIN - Artigos publicados em revistas não indexadas na Medline

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Prática Ventilatória.pdf198,99 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.