Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.16/1888
Título: Transplantação renal pediátrica: experiência de um centro
Outros títulos: PEDIATRIC RENAL TRANSPLANTATION: A SINGLE CENTER EXPERIENCE
Autor: Nascimento, João
Rocha, Liliana
Faria, Maria Sameiro
Matos, Paula
Costa, Teresa
Martins, Maria Lassalete
Almeida, Manuela
Dias, Leonídio
Mota, Conceição
Henriques, A. Castro
Palavras-chave: transplantação renal pediátrica
insuficência renal crónica terminal
sobrevida do enxerto
Data: 11-Dez-2015
Editora: Centro Hospitalar do Porto
Citação: Nascer e Crescer 2015; 24(4): 149-54
Relatório da Série N.º: 4;
Resumo: Introdução: A insuficiência renal crónica terminal está associada a numerosas comorbilidades e a um aumento do risco de mortalidade cerca de 30 vezes superior à população pediátrica geral. O primeiro transplante renal bem sucedido em crianças foi realizado em 1954. Os progressos cirúrgicos e as novas terapêuticas imunossupressoras aumentaram a sobrevida dos doentes e do enxerto renal nos últimos anos. Objetivos: Avaliação da experiência em transplantação renal em idade pediátrica do Centro Hospitalar do Porto nos últimos 30 anos. Métodos: Estudo retrospetivo dos dados epidemiológicos e clínicos dos doentes pediátricos transplantados entre Janeiro de 1984 e Agosto 2013. Foi feita a análise da evolução tempo- real da atividade de transplantação através da comparação da sobrevida do enxerto por décadas de transplantação (1984-89 / 1990-99 / 2000-09 / 2010-13). Foi também comparada a sobre- vida do enxerto em dois grupos etários (0-10 anos ; 11-17 anos) à data da transplantação. Resultados: Cento e trinta e nove doentes (58.3% - sexo masculino) foram submetidos a 147 transplantes renais (6.8% de dador vivo). As anomalias congénitas do rim e trato urinário (56.5%) e as glomerulonefrites (18.4%) foram as causas principais de insuficiência renal. A sobrevida do enxerto não censurada aos 5, 10, 15 e 20 anos foi 84.7%, 71.1%, 60.0% e 51.0% e a sobrevida do doente aos 5, 10, 15 e 20 anos foi 97.9%, 95.9%, 94.7% e 94.7%, respetivamente. A sobrevida do enxerto aumentou ao longo do tempo e a diferença entre as décadas foi estatisticamente significativa (p=0.004). Apesar da melhor sobrevida no grupo com idade superior a 11 anos, a diferença da sobrevida do enxerto entre os grupos etários não foi estatisticamente significativa (p=0.697). Conclusão: Os resultados do Centro Hospitalar do Porto são comparáveis aos dos grandes centros de transplantação renal pediátrica. Observou-se uma melhoria dos resultados ao longo dos anos na nossa Unidade. A existência de um rigoroso processo de acompanhamento poderá ter ajudado a minimizar o impacto negativo da adolescência na sobrevida do enxerto.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.16/1888
ISSN: 0872-0754
Aparece nas colecções:RN&C: Ano de 2015

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
03_NascerEcrescer_24-4_AO-1.pdf299,53 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.