Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.16/784
Título: CONTROLE DA PRESSÃO INTRCUFF EM DOENTES TRAQUEOSTOMIZADOS
Autor: Silva, A.
Taborda, A.
Vilarinho, H.
Rocha, I.
Vieira, O.
Silva, R.
Data: 1-Jul-2011
Editora: Gabinete Coordenador de Investigação
Resumo: CONTROLE DA PRESSÃO INTRCUFF EM DOENTES TRAQUEOSTOMIZADOS Álvara Silva1, Ana Taborda1, Hélder Vilarinho1, Inês Rocha1, Olinda Vieira1, Rosa Silva1. 1Serviço de de Traumatologia Craneo Encefálica (TCE), HSA/CHP. Hospital de Santo António, Centro Hospitalar do Porto (HSA/CHP), Porto. Introdução A pressão de perfusão sanguínea da mucosa traqueal situa-se entre os 25-35mmHg/20-30cmH2O. Pressões superiores a 30 cmH2O podem gerar lesões na parede da traquéia como: estenose traqueal, perda do epitélio ciliado, hemorragia, ulceração e necrose. Por outro lado, pressões inferiores a 20 cmH2O, podem levar a broncoaspiração, tornando o doente susceptível a infecções respiratórias, um cuff pouco insuflado pode também provocar a fuga de ar em doentes ventilados artificialmente. Objectivos Identificar e analisar estudos empíricos que versem a temática da gestão da pressão intracuff em doentes traqueostomizados. Material e Métodos Revisão de literatura nas bases de dados: EBSCO, PUBMED, MEDSCAPE e Google Académico. As palavras-chave utilizadas foram: tracheostomy and cuff; tracheostomy tube cuff. Os critérios de inclusão foram: publicações em português e inglês, acesso livre, texto completo, no período de 2005-2011, num total de 71 artigos, foram incluídos apenas 14. Resultado A desinsuflação do cuff não é bem tolerada por muitos doentes, podendo resultar em aspiração. Quando insuflado protege a via aérea prevenindo a perda de ar, em doentes ventilados mecanicamente, e a broncoaspiração. No entanto, uma desinsuflação precoce do cuff na presença da peça em T reduz o esforço respiratório, é preferido em pacientes conscientes, beneficia a capacidade para falar e deglutir, acautelando-se que a capacidade para deglutir é cuidadosamente monitorizada e a acumulação de secreções supracuff é limitada para prevenir a aspiração. Quando a pressão do cuff é superior induz a isquemia/necrose. A lesão isquémica da traqueia depende da relação entre a pressão de perfusão da mucosa e a perfusão exercida pelo cuff. Relativamente aos estudos dos valores de monitorização da pressão intracuff verificam-se medidas irregulares, tanto acima quanto abaixo dos valores de segurança. Na rotina hospitalar, muitas vezes não há mensuração da pressão intracuff, ou esta é realizada de forma indirecta, através da palpação do balão externo, técnica extremamente inadequada. A utilização do cufómetro é a técnica recomendada pela literatura. Do mesmo modo, é aconselhada a sua verificação pelo menos uma vez por turno. Na maioria dos casos os procedimentos de manutenção do cuff são da exclusiva responsabilidade dos enfermeiros. Conclusões Valores de pressão abaixo ou acima dos recomendados são responsáveis por diversas complicações que convêm acautelar. A monitorização da pressão intracuff não é uma actividade de rotina e a sua gestão è realizada de forma variável, sendo o método mais utilizado o cufómetro. Apresentador: Álvara Silva, Enfermeira, Serviço de Traumatologia Craneo Encefálica (TCE), HSA/CHP.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.16/784
Aparece nas colecções:SOME - Resumos de Posters

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
3as JIIC - Poster 15 - Álvara Silva.pdf184,01 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.