Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.16/825
Título: Estudo Viriato: Actualização de dados de susceptibilidade aos antimicrobianos de bactérias responsáveis por infecções respiratórias adquiridas na comunidade em Portugal em 2003 e 2004
Autor: Melo-Cristino, J.
Santos, L.
Ramirez, M.
Grupo de Estudo Português de Bactérias Patogénicas Respiratórias
Data: 4-Jan-2006
Editora: Revista Portuguesa de Pneumologia
Resumo: O Estudo Viriato é um estudo nacional, prospectivo e multicêntrico, de vigilância da susceptibilidade aos antimicrobianos de bactérias frequentemente responsáveis por infecções do aparelho respiratório adquiridas na comunidade.Nos anos de 2003 e 2004 participaram 29 laboratórios de todo o país. Isolaram-se 2945 microrganismos que foram estudados num laboratório coordenador. Das 513 estirpes de Streptococcus pyogenes de doentes com amigdalo-faringite aguda, todas eram susceptíveis à penicilina e outros antibióticos beta-lactâmicos, mas 18,9% eram resistentes à eritromicina, claritromicina e azitromicina. Nas estirpes resistentes foi mais frequente o fenótipo M (67,0%) que confere resistência à eritromicina (CIM90=16 mg/L), claritromicina e azitromicina, mas susceptibilidade à clindamicina (CIM90=0,094 mg/L). De doentes com infecção do aparelho respiratório inferior estudaram-se 1300 estirpes de Streptococcus pneumoniae (pneumococos), 829 de Haemophilus influenzae e 303 de Moraxella catarrhalis. Em S. pneumoniae, 18,4% das estirpes eram resistentes à penicilina (3,5% com resistência elevada), 7,1% à cefuroxima, 0,5% à amoxicilina, 0,5% à amoxicilina/clavulanato, 18,8% à eritromicina, claritromicina e azitromicina, 14,5 % à tetraciclina, 16,5% ao cotrimoxazol e 0,4% à levofloxacina. Nas estirpes resistentes aos macrólidos, dominou o fenótipo MLSB (83,7%), caracterizado por resistência elevada (CIM90>256 mg/L) à eritromicina, claritromicina, azitromicina e clindamicina. Produziam beta- -lactamase 10,0% de H. influenzae e 96,4% de M. catarrhalis. Em H. influenzae demonstrou-se 5,5% de resistência à claritromicina e 13,4% ao cotrimoxazol. A quase totalidade das estirpes era susceptível à amoxicilina / clavulanato, cefuroxima, azitromicina, tetraciclina e ciprofloxacina. Em M. catarrhalis a resistência ao co-trimoxazol foi de 27,1% e à tetraciclina de 1,0%. Todas as estirpes eram susceptíveis à amoxicilina / clavulanato, cefuroxima, claritromicina, azitromicina e ciprofloxacina. De entre o conjunto de antibióticos ensaiado, a penicilina continua a ser o mais activocontra S. pyogenes e a amoxicilina / clavulanato e as quinolonas os mais activos simultaneamente contra S. pneumoniae, H. influenzae e M. catarrhalis.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.16/825
ISSN: 0873-2159
Versão do Editor: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/pne/v12n1/v12n1a01.pdf
Aparece nas colecções:DI - Artigos publicados em revistas indexadas na Medline

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Estudo Viriato.pdf895,86 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.