Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.16/827
Título: MENÇÕES SOBRE O ESTADO NUTRICIONAL. Nos Registos Clínicos de Doentes Hospitalizadosvo
Autor: MATOS, L.
TEIXEIRA, M.A.
HENRIQUES, A.
TAVARES, M.M.
ÁLVARES, L.
ANTUNES, A.
AMARAL, T.
Data: Dez-2007
Editora: Centro Editor Livreiro da Ordem dos Médicos, Sociedade Unipessoal
Resumo: Está descrito que a frequência de desnutrição associada à doença (DAD) afecta cerca de 30 a 60% dos doentes no momento da admissão hospitalar e cerca de 10% dos indivíduos na comunidade. A DAD tem vindo a ser associada a graves consequências, como ao maior risco de infecções e de disfunção de órgãos e a um aumento significativo, não só da morbilidade e mortalidade, como da frequência e dos custos com os cuidados de saúde. A falta do reconhecimento e da monitorização dos aspectos relacionados com o estado nutricional, têm sido apontados como factores que contribuem para o aumento da frequência de DAD, durante o internamento hospitalar. Foi objectivo deste estudo avaliar a relevância que é dada a aspectos relacionados com o estado nutricional dos doentes (peso, ingestão alimentar) e saber se os doentes em risco nutricional ou desnutridos serão alvo de maior atenção por parte dos profissionais de saúde. Foi recolhida uma amostra sistemática de seis hospitais portugueses, correspondente a 42-50% do total de camas de cada serviço de internamento. Foram critérios de exclusão a doença crítica, a gravidez, a idade inferior a 18 anos, a incapacidade de aplicação do protocolo de rastreio nutricional e o tempo de internamento inferior a 24h. Recolheram- se dados sócio-demográficos, antropométricos, sobre as menções dos processos clínicos respeitantes ao peso, cuidados alimentares/nutricionais prestados e ingestão alimentar/nutricional dos doentes e aplicou-se uma ferramenta de rastreio nutricional (Nutritional Risk Screening 2002). Em 1152 doentes estudados, a frequência de risco nutricional variou entre os 28,5% e 47,3%, enquanto que a frequência de desnutrição antropométrica oscilou entre 6,3% e 14,9%. Dois em cada três doentes tinha menções acerca de cuidados alimentares/ nutricionais prestados nos processos clínicos, mas apenas um em cada três tinha o seu peso medido e registado. Os doentes desnutridos foram pesados com menor frequência mas a sua alimentação e problemas a ela associados foram monitorizados com maior regularidade. A frequência de DAD, no momento de admissão hospitalar, é muito elevada, enquanto que a de menções relevantes para o estado nutricional é muito escassa. A presente investigação reforça a necessidade de investir na sensibilização dos profissionais de saúde, sobre a importância do rastreio e da prescrição/monitorização da alimentação e do peso dos doentes, na admissão e durante todo o internamento hospitalar.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.16/827
ISSN: 0870-399X
Versão do Editor: http://www.actamedicaportuguesa.com/pdf/2007-20/6/503-510.pdf
Aparece nas colecções:UN - Artigos publicados em revistas indexadas na Medline

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
503-510.pdf138,72 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.