Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.16/844
Título: Hiperaldosteronismo primário: novas perspectivas
Autor: Carvalho, A.
Carvalho, R.
Palavras-chave: Hiperaldosteronismo primário
Prevalência
Rastreio
Diagnóstico
Relação de concentração da aldosterona
Concentração de renina directa
Tratamento
Data: 2008
Editora: revista portuguesa de endocrinologia diabetes e metabolismo
Resumo: RESUMO O hiperaldosteronismo primário (HAP) é a forma secundária de hipertensão arterial mais frequente. A prevalência real é desconhecida, mas em estudos recentes cerca de 10% dos hipertensos apresentam esta forma potencialmente curável de hipertensão arterial. Este artigo visa rever de uma forma breve os aspectos históricos, bioquímicos, patológicos e clínicos do HAP, assim como os dilemas que se colocam no seu rastreio e diagnóstico diferencial. Para tal foram avaliados os artigos indexados na MEDLINE e PubMed publicados entre Janeiro de 1970 a Julho de 2008 com os seguintes termos Primary Aldosteronism, Aldosteronism, Conn’s Syndrome, Screening, Diagnosis, Treatment, Plasma Aldosterone-to-Renin Ratio, Direct Renin Concentration ou Renin Activity. Apesar das inúmeras publicações sobre este assunto só muito recentemente foi tentado um consenso internacional sobre o seu rastreio, diagnóstico e diferenciação. No entanto, algumas das questões clínicas mais polémicas não foram completamente esclarecidas, nomeadamente aquelas que se levantam quando pretendemos definir qual o valor de corte para os testes de rastreio, a prova de confirmação mais indicada para cada doente e a forma mais simples e menos invasiva de distinguir os vários subtipos de HAP. De uma maneira geral um rastreio positivo obtido através da relação aldosterona-renina deve ser confirmado com uma prova de sobrecarga salina. Na continuação deve ser obtida uma imagem das supra-renais através duma tomografia axial computorizada (TAC) seguida, ou não, do cateterismo das veias supra-renais, conforme exista demonstração de unilateralidade e vontade expressa do doente em ser submetido a uma cirurgia. O tratamento de eleição para qualquer forma unilateral de HAP é a adrenalectomia laparoscópica, a qual permite cura clínica em mais de metade dos doentes. Todos os restantes devem ser tratados com doses eficazes e toleráveis de antagonistas da aldosterona (espironolactona ou eplenerona) de modo a obterem um melhor controlo tensional e redução do número de eventos cardiovasculares.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.16/844
Aparece nas colecções:SE - Artigos publicados em revistas não indexadas na Medline

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Hiperaldosteronismo primário novas perspectivas.pdf230,75 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.