Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.16/849
Título: Disqueratose congénita, uma doença enigmática
Outros títulos: Dyskeratosis congenita, an enigmatic disease
Autor: Bini-Antunes, M.
Gonçalves, C.
Vale, M. J.
Dinis, M. J.
Rosário, C.
Pereira, F.
Barbot, J.
Palavras-chave: disqueratose congénita
telómero
leucoplaquia
dyskeratosis congenita
telomere
leukoplaquia
Data: 2008
Editora: Nascer e Crescer
Citação: Nascer e Crescer 2008; 17(2): 80-82
Resumo: RESUMO A disqueratose congénita é uma patologia rara, de hereditariedade heterogénea que envolve órgãos distintos de forma progressiva e não simultânea dificultando muitas vezes o seu diagnóstico tal como ocorreu no caso apresentado. Jovem do sexo feminino, acompanhada em Consulta desde os cinco anos por mau desenvolvimento estaturo-ponderal. A hipótese de disqueratose congénita foi colocada aos nove anos face ao aparecimento de leucoplaquia na cavidade oral, macula hiperpigmentada no dorso, pigmentação cutânea reticulada no pescoço e distrofia ungueal. Posteriormente surgiu disfagia por estenose esofágica do terço superior. A hipoplasia medular manifestou-se aos 18 anos confirmando o diagnóstico. A pesquisa de mutações nos genes DKC1 e hTR resultou negativa. Actualmente mantém um quadro hematológico estável, sem recurso a qualquer terapêutica. Necessita de dilatações esofágicas periódicas.
ABSTRACT Dyskeratosis congenita is a rare disorder characterized by a genetic heterogeneity and a progressive and not simultaneous organ involvement; this can make the diagnosis difficult as it happened in the presented case. A young girl was referred due to deficient growth since the age of five. At age nine she developed oral leukoplakia, reticulate skin pigmentation and nail dystrophy and the hypothesis of a dyskeratosis congenita was proposed. Latter dysphagia related to a high oesophagic stenosis also appeared. When she was eighteen, the gradual appearance of bone-marrow hypoplasia confirmed the diagnosis. Screening for DKC1 and hTR gene mutations was negative. Nowadays her haematological profile is stable, needing no treatment. However, periodic oesophagic dilatations are necessary to control the dysphagia.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.16/849
ISSN: 0872-0754
Versão do Editor: http://portint/portal/Portal_Revista%20Nascer%20e%20Crescer-2009-10-13/RNC-Revistas-Artigos/2008%20Vol%20XVII%202/DisqueratoseCongenita_NeC_17-2_WEB.pdf
Aparece nas colecções:RN&C: Ano de 2008

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DisqueratoseCongenita_NeC_17-2_WEB.pdf78,82 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.