Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.16/887
Título: Técnicas Dialíticas na Insuficiência Renal Aguda
Dialysis Therapy in Acute Renal Failure
Autor: Rocha, S.
Aguilar, A.
Mota, C.
Faria, M. S.
Costa, T.
Carvalho, C.
Marcelino, F.
Mota, C.
Rocha, P.
Pereira, E.
Duarte, C.
Palavras-chave: Insuficiência renal aguda
diálise
criança
Acute Renal Failure
dialysis
children
Data: 2006
Editora: Centro Hospitalar do Porto
Citação: Nascer e Crescer 2006; 15(2): 71-76
Resumo: RESUMO A insuficiência renal aguda (IRA) é uma situação rara em idade pediátrica, podendo surgir aliada a variadas condições clínicas. Quando as medidas de suporte não são suficientes para o controlo da IRA, torna-se necessário o início de terapêutica de substituição da função renal. Objectivo: Analisar as indicações e complicações dos diferentes métodos de diálise aguda nos doentes internados na Unidade de Cuidados Intensivos e/ou no Serviço de Nefrologia Pediátrica do Hospital Maria Pia. Doentes e métodos: Foi efectuado um estudo retrospectivo dos doentes com IRA que necessitaram de tratamento substitutivo da função renal entre Janeiro de 1990 e Dezembro de 2004. Analisaram-se aspectos clínicos e laboratoriais, indicações e complicações do procedimento dialítico e evolução dos doentes. Foi analisado também, o número anual de doentes tratados com diálise aguda no Hospital. Resultados. O estudo incluiu 29 crianças com idades comprendidas entre 1 e 15 anos, dos quais onze (37,9%) tinham menos de 12 meses de idade (6 recém nascidos). A sépsis foi a condição subjacente à IRA em 11 (37,9%) doentes, sendo predominante no grupo de recém nascidos. O síndrome hemolítico urémico foi a etiologia de IRA em 10 (34,5%) lactentes e crianças. A diálise peritoneal foi a modalidade dialítica mais frequentemente utilizada (65,5%), seguida da hemodiálise intermitente (31%) e hemodiafiltração venovenosa contínua (3,4%). As técnicas dialíticas mostraram-se seguras e eficazes, embora com algumas complicações inerentes ao método dialítico, as quais foram resolvidas com sucesso. A mortalidade dos doentes foi de 17,2%, o que é um resultado bastante satisfatório quando comparada a outras séries. A evolução através dos anos do número de doentes submetidos a diálise aguda caracterizou-se por um aumento do número de casos. Nos últimos 5 anos foram tratados 16 dos 29 doentes, observando-se um investimento recente destas técnicas em recém-nascidos, incluindo prematuros de baixo peso. Conclusões: Verifica-se um aumento crescente de técnicas diáliticas nos doentes com IRA, as quais se têm mostrado eficazes e seguras. Destaca-se o seu uso em recém nascidos e prematuros de baixo peso com bons resultados. A diálise peritoneal permanece a técnica mais utilizada entre nós, contudo reconhecemos as vantagens das técnicas dialíticas extracorporais contínuas o que tem motivado um investimento recente neste tipo de tratamento dialítico.
ABSTRACT Acute Renal Failure (ARF) is an uncommon disease in paediatric age, and may occur associated to several clinical conditions. When the support measures are not enough to control ARF, substitution therapeutics become necessary. Objective: To analyse the indications and complications of the different dialysis modalities at the Intensive Care Unit and/ or Paediatrics Nephrology Department in Maria Pia Hospital. Patients and methods: The authors present a retrospective study of ARF patients who needed substitutive treatment of renal function between January 1990 and December 2004. We analysed the following: clinical and laboratorial data, indications and complications of dialysis and patients’ evolution. We was also analysed the evolution of the dialytic treatment in our hospital. Results: The study included 29 children with ARF treated with dialytic therapies, aged 1 day to 15 years. Eleven (37,9%) were 12 months or younger (6 newborns). Sepsis was the subjacent condition to ARF in 11 (37,9%) patients, the majority newborns. The uraemic haemolytic syndrome was the aetiology of ARF in 10 (34,5%) infants and children. The peritoneal dialysis was the most used dialytic modality (65.5%), followed by the intermittent haemodialysis (31%) and continuous venovenous haemodiafiltration (3,4%). The dialytic therapy proved to be safe and efficient, although carrying some inherent complications to the dialytic method, that were resolved with success. Mortality was 17,2%, which is a rather satisfactory result when compared with other series. The number of patients submitted to dialysis in our hospital has been increasing, through the years (16 patients out of 29 were treated after 1999), specially newborns and low birth weight newborns. Conclusion: We verified an increasing use of dialytic techniques in patients with ARF, which are safe and effi cient. We emphasize the good results in newborn including the low birth weight. Peritoneal dialysis remains the most used technique in our hospital, however nowadays, we are investing in the continuous extracorporeal dialysis as we recognize the advantages of this method in critical patients.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.16/887
ISSN: 0872-0754
Versão do Editor: http://portint/portal/Portal_Revista%20Nascer%20e%20Crescer-2009-10-13/RNC-Revistas-Artigos/2006%20Vol%20XV%202/TecnicasDialiticas_NeC_15-2_Web.pdf
Aparece nas colecções:RN&C: Ano de 2006

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TecnicasDialiticas_NeC_15-2_Web.pdf145,44 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.